O Integralismo, de Hélgio Trindade, quarenta anos depois: uma crítica à sua recepção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p324

Palavras-chave:

Integralismo, Pensamento político brasileiro, Fascismo, Hélgio Trindade.

Resumo

O artigo buscar prestar uma homenagem pelos quarenta anos da publicação do livro Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30 (1974), de Hélgio Trindade, obra clássica para o estudo da Ação Integralista Brasileira (AIB), por meio de uma reflexão crítica sobre a recepção de sua tese central por parte dos pesquisadores do Integralismo. Argumenta-se, assim, que a hipótese de Trindade – de que a AIB seria um fascismo brasileiro – foi vulgarizada ao ponto de naturalizar-se, constituindo-se em algo dado. A partir daí, busca-se mostrar que uma das principais consequências da recepção passiva e acrítica da “tese fascista” não apenas impediu uma análise mais matizada, capaz de dar conta da complexidade do movimento integralista em seus múltiplos aspectos, como também o transformou em um estrangeiro em sua própria terra, descurando das profundas relações da AIB com o contexto intelectual brasileiro que forneceu os elementos imprescindíveis para a formulação das ideias integralistas e para a orientação de suas práticas e ações. Em última análise, o artigo pretende fornecer uma crítica ao modo como os estudos e pesquisas sobre o Integralismo têm se organizado a partir de uma visão cristalizada e naturalizada do mesmo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alexandre Pinheiro Ramos, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Mestre em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Doutor em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisador de Pós-Doutorado em Sociologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ARANHA, Graça. Obra completa. Rio de Janeiro: Instituo Nacional do Livro, 1969.

BEIRED, José Luis Bendicho. Sob o signo da nova ordem: os intelectuais autoritários no Brasil e na Argentina (1914 – 1945). São Paulo: Loyola, 1999.

BERTONHA, João Fábio. Bibliografia orientativa sobre o Integralismo (1932-2007). Jaboticabal: FUNEP, 2010.

BRUSANTIN, Beatriz de Miranda. Anauê paulista: um estudo sobre a prática política da primeira “cidade integralista” do Estado de São Paulo (1932-1943). 2004. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

CALDEIRA NETO, Odilon. O neo-integralismo: entre novas práticas e velhos elementos. In: ELETRÔNICOS DA SEMANA DE HISTÓRIA POLÍTICA, 4., 2009, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2009. CD-Rom.

CALDEIRA, João Ricardo de Castro. Integralismo e política regional. São Paulo: Annablume, 1999.

CALIL, Gilberto Grassi. O integralismo no pós-guerra. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

CÂMARA, Hélder. O integralismo em face do catolicismo 1934. Enciclopédia do integralismo: estudos e depoimentos. Rio de Janeiro: Livraria Clássica Brasileira, 1958. v. 4.

CÂNDIDO, Antonio. Prefácio. In: CHASIN, José. O integralismo de Plínio Salgado: forma de regressividade no capitalismo hiper-tardio. São Paulo: Livraria Ciências Humanas, 1978.

CARNEIRO, Marcia Regina da Silva Ramos. A busca incessante pelo sigma: o integralismo no século XXI. In: SIMPÓSIO NACIONAL ESTADO E PODER, 4., 2007, São Luiz. Anais... São Luiz, 2007. p. 1-14.

CARNEIRO, Marcia Regina da Silva Ramos. Pensamento integralista: aportes e suportes para um movimento de direita. In: CRUZ, Natalia dos Reis (Org.). Ideias e práticas fascistas no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Prefácio. In: CALDEIRA, João Ricardo de Castro. Integralismo e política regional. São Paulo: Annablume, 1999. p. 11-14.

CAVALARI, M. R. F. et al. Integralismo: novos estudos e reinterpretações. Rio Claro: Arquivo do Município, 2004.

CHASIN, José. O integralismo de Plínio Salgado: forma de regressividade no capitalismo hipertardio. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

CRUZ, Natalia dos Reis (Org.). Ideias e práticas fascistas no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

CYTRYNOWICZ, Roney. Integralismo e antissemitismo nos textos de Gustavo Barroso na década de 30. 1992. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, 1992.

CYTRYNOWICZ, Roney. O fascismo brasileiro entre as oligarquias e a modernidade. In: GUERRA, Luiz Felipe Hirtz; SOMBRA, Luiz Henrique. Imagens do sigma. Rio de Janeiro: APERJ, 1998.

CYTRYNOWICZ, Roney; MAIO, Marcos Chor. Ação integralista brasileira: um movimento fascista no Brasil (1932-1938). In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Org.). O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. (O Brasil republicano; v.2).

DIAS, Romualdo. Imagens de ordem. São Paulo: UNESP, 1996.

FERNANDES, Florestan. Prefácio. In: VASCONCELLOS, Gilberto. Ideologia curupira. São Paulo: Brasiliense, 1979. p. 11-16.

GERTZ, René. O fascismo no sul do Brasil. Porto Alegre: Mercado aberto, 1987.

GUERRA, Luiz Felipe Hirtz; SOMBRA, Luiz Henrique. Imagens do sigma. Rio de Janeiro, APERJ, 1998.

HILTON, Stanley. O Brasil e a crise internacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

IGLÉSIAS, Francisco. Estudo sobre o pensamento reacionário: Jackson de Figueiredo. In: IGLÉSIAS, Francisco. História e Ideologia. São Paulo: Perspectiva, 1971. p. 109-158.

LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República. In: FAUSTO, Boris. História geral da civilização brasileira. São Paulo: Difel, 1985. T. III, v. 3, n. 9.

LEVINE, Robert. O regime Vargas: os anos críticos (1934-1938). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

LOPES, Daniel Henrique. Experiências femininas na AIB, 1932-1938. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Marília, 2007.

MORAES, Eduardo Jardim de. A brasilidade modernista. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

OLIVEIRA, Rodrigo Santos de. Evolução dos estudos sobre o integralismo. Estudos IberoAmericanos, Rio Grande do Sul, v. 36, n. 1, p. 118-138, jan./jun. 2010.

OLIVEIRA, Rodrigo Santos de. Perante o tribunal da história: o anticomunismo da Ação Integralista Brasileira (1932-1937). Dissertação (Mestrado em História), PUC-RS. Porto Alegre, 2004.

PRADO, Maria Emilia. Alberto Torres e a responsabilidade do estado na construção da nação. In: PRADO, Maria Emilia. Intelectuais e ação política. Rio de Janeiro: Revan, 2011. p. 187-210.

RIBEIRO, Ivair Augusto. O integralismo no sertão de São Paulo. 2004. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Franca, 2004.

SADEK, Maria Teresa Aina. Machiavel, Machiavéis: a tragédia octaviana. São Paulo: Símbolo, 1978.

SANDES, Noé Freire. Prefácio. In: VICTOR, Rogério Lustosa. O integralismo nas águas do Lete: história, memória e esquecimento. Goiânia: UCG, 2005. p. 13-15.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Paradigma e História: a ordem burguesa na imaginação social brasileira. São Paulo: Duas Cidades, 1975.

SANTOS, Wanderley Guilherme. Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo: Duas cidades, 1978.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre a filosofia e seu método 1851. São Paulo: Hedra, 2010.

SKINNER, Quentin. As fundações do pensamento político moderno. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1997.

SOUSA, Samuel Pereira de. Soldados de Deus e da pátria: entre as práticas cotidianas e a construção da memória integralista em Barbalha-CE (1933-1950). 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade estadual do Ceará, Fortaleza, 2010.

SOUZA, Francisco Martins. O integralismo. In: Curso de introdução ao pensamento político brasileiro. Brasília: UnB, 1982. v. 5, p. 61-109.

TORRES, Alberto. A organização nacional. 3. ed. São Paulo: Companhia Nacional, 1978.

TRINDADE, Hélgio. Desfile integralista. In: ABREU, Alzira Alves de et al. Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro, pós-30. Rio de Janeiro: FGV, 2001. CD-Rom.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. Rio de Janeiro: DIFEL, 1979.

TRINDADE, Hélgio. Integralismo: teoria e práxis política nos anos 30. In: FAUSTO, Boris (Org.). História geral da civilização brasileira: O Brasil republicano, sociedade e política (1930-1964). São Paulo: DIFEL, 1981, v. 3, p. 297-335.

VIANNA, Oliveira. Populações meridionais do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1973.

VICTOR, Rogério Lustosa. O integralismo nas águas do Lete: história, memória e esquecimento. Goiânia: UCG, 2005.

WILLIAMS, Margaret Todaro. Integralism and the Brazilian Catholic Church. The Hispanic American Historical Review, v. 53, n. 3. 1974.

Downloads

Publicado

19-12-2014

Como Citar

RAMOS, A. P. O Integralismo, de Hélgio Trindade, quarenta anos depois: uma crítica à sua recepção. Antíteses, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 324–347, 2014. DOI: 10.5433/1984-3356.2014v7n14p324. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/16788. Acesso em: 19 jun. 2024.